Aguarde...

A rosa branca

rosa-branca

(Uma história real, extraída de um folheto, que revela a forma amorosa de Deus conquistar uma alma perdida)

A história passou-se com um evangelista de Londres. Ele comenta: “Uma noite, no fim do verão, eu caminhava ao longo do rio Tâmisa, em direção ao local onde deveria pregar.

Um estranho pressentimento fazia-me andar com lentidão, e detive-me um momento a contemplar a água tranquila, pensando nos séculos de história e drama de que esse rio havia sido testemunha. Quantos, de entre os milhares que têm passado ao longo desse rio, teriam conhecido a paz com Deus?, disse a mim mesmo.

Dispunha-me a continuar o meu trajeto, quando a minha atenção subitamente foi despertada pelos movimentos de uma jovem que avançava com determinação para a margem do cais em direção da água.

Qualquer coisa na sua atitude deu-me mau pressentimento, e por isso dirigi-me a ela.

“Desculpe”, disse eu tranquilamente. A jovem deu um sobressalto e olhou assustada em redor de si, como se procurasse fugir. Estava vestida de preto, e o seu rosto apresentava-se terrivelmente pálido. Os olhos, cheios daquela profunda dor das desilusões, impressionavam até mesmo qualquer pessoa habituada a encontrar todos os dias os náufragos da vida nas salas da missão em Londres.

“Queira perdoar que um estranho lhe fale”, acrescentei. “Mas sou um ministro do Evangelho, e vou à sala de reuniões que fica na primeira rua. Vejo que está abatida e perturbada. Não quer acompanhar-me esta noite? Poderá achar descanso Naquele que está pronto a ser seu Amigo”.

Quando articulei a palavra “ministro”, a expressão do seu rosto alterou-se, e ela disse: “Não; não quero ir à sua reunião. Não quero nada com a sua religião. Deixe-me”.

Um pouco depois do meio-dia, a minha hospedeira havia-me oferecido uma linda rosa branca. Embora nunca usasse uma flor na lapela, senti que devia aceitá-la e usá-la. Agora, agindo sob um impulso que não compreendia, tirei a rosa da banda do casaco e ofereci à jovem. Era um gesto estranho, mas eu não ousava desobedecer àquilo que sentia ser a direção do Espírito.

“Quer aceitar esta rosa branca?”, perguntei com bondade. “Talvez uma lembrança, para lhe recordar que há, naquela sala, pessoas amigas que gostariam de ajudá-la, se viesse”.

Ela desviou-se como se eu lhe tivesse batido. As emoções eram evidentes no seu rosto.

“Não! Oh! Não!, disse ofegante. Em seguida estendeu a mão, pegou a rosa, e eu vi que as lágrimas deslizavam pelo seu rosto.

Eu tinha de partir, mas falei-lhe ainda outra vez da reunião e pedi-lhe para vir.

Quando acabava de pregar, vi à retaguarda, em um ângulo da sala, a jovem a quem havia falado no cais. De súbito, ela levantou-se e veio para frente. Começou a falar, hesitou, depois continuou indiferente aos olhares de curiosidade do auditório.

“Ouvi as exortações em vir a Jesus, e quero vir. Acham que Ele pode salvar uma pecadora como eu?”, perguntou com voz embargada. “Ia acabar comigo esta noite, no rio, porque não podia continuar por mais tempo a vida que tenho vivido há cinco anos. Estava pronta para atirar-me na água quando aquele senhor me falou e me convidou a vir aqui. Recusei indelicadamente. E então ele deu-me esta rosa branca. À primeira vista não a queria. Depois a peguei. Era semelhante à rosa que minha mãe me deu quando abandonei a casa há cinco anos. Era a sua flor preferida. Quando peguei esta rosa, esta noite, ouvi de novo a sua voz quando ela me dizia adeus: Helena, minha filha, deixas a tua pobre mãe contra o seu desejo, para ires para um mundo de pecado. Quando estiveres longe e vires uma rosa branca, lembra-te de que o meu compromisso para contigo na tua partida foi seguir-te com minhas orações pelo seu regresso ao lar. Não cessarei de orar a Deus dia e noite para que tu possas regressar, salva. Esta rosa branca me fez voltar a mim mesma esta noite. Compreendi que devia retomar o caminho aberto por mim. O senhor disse que há Alguém que me ajudaria. Crê que Deus poderá aceitar uma pecadora como eu?”

Não era difícil responder a essa pergunta. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”, Jo 3.16. Li ainda Isaias 1.18 e outros versículos.“

A jovem escutou atentamente, depois desatando em soluços, ajoelhou-se. Quando se levantou era “uma nova criatura em Cristo Jesus”. O seu primeiro desejo foi regressar para casa e ver sua mãe.

Os anos se passaram, mas aquela jovem, assim, arrancada do suicídio, regozija-se em Cristo e é zelosa em dar testemunho do poder de Cristo para salvar os pecadores”.


Envie seu comentário

Você preencheu os seguintes dados:

Ao enviar estes dados, você concorda em fornecê-los ao site. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Ouça agora nossa Rádio!


Receba artigos em seu email!

Você preencheu os seguintes dados:

Ao enviar estes dados, você concorda em fornecê-los ao site. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Mais Postagens

Feliz 2023!

01 de Janeiro de 2023

Calendário 2023

29 de Dezembro de 2022

História do Hino Noite de Paz

24 de Dezembro de 2022

As Jornadas do Povo de Deus

06 de Outubro de 2022

A jornada do povo de Deus

01 de Agosto de 2022

O Totem da Paz

06 de Julho de 2022

A família

14 de Maio de 2022

A colheita

06 de Maio de 2022

Calendário 2022

04 de Janeiro de 2022

Esta Palavra...

31 de Agosto de 2020

Poderoso Fundamento

23 de Janeiro de 2020

Ele quer ficar conosco...

18 de Janeiro de 2020

Feliz 2020!

01 de Janeiro de 2020

Jesus nasceu

24 de Dezembro de 2019

Depoimentos - II

20 de Dezembro de 2019

Dormindo sobre uma almofada

23 de Novembro de 2019

Depoimentos - I

15 de Novembro de 2019

Um ao outro ajudou

01 de Novembro de 2019

O dia das coisas pequenas

23 de Outubro de 2019

Maria nos dá o exemplo

30 de Julho de 2019

E com ele cearei

24 de Julho de 2019

Junto das Águas

12 de Junho de 2019


Procure no Site

Busque por textos de um mês específico ou que contenham um determinado termo