Terra de Siena

terra-de-siena

(Reflexão)

Fiz pinturas a óleo, acrílico, guache e aquarela, anos idos, com vendas e uma exposição etc. Terra de Siena, para mim, era uma das cores um tanto inexpressivas, por ser um marrom, digo, sem graça. Porém, era a que, em conjunto com suas cores adjacentes, tonalizava luz e relevo, principalmente na pintura da pele humana.

Existem coisas ao redor da gente, e também dentro da gente!, que se parecem com coisas sem valor e que não colaboram com o que pensamos, e no fundo não nos fazem falta. Nos momentos inexpressíveis é que a gente vê como elas são valiosas e necessárias. Elas comporão a verdadeira tonalidade e nos farão alcançar o objetivo desejado.

“Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas?” (Zc 4.10). “Procuras tu grandezas? não as busques” (Jr 45.5). Para Davi, com Deus, uma pequena funda foi suficiente para derrotar o gigante Golias. Para Elias, com Deus, uma pequena nuvem foi suficiente para fazer chover torrencialmente, depois de três anos e meio de seca. Para o servo bom, com Deus, a fidelidade sobre o pouco será suficiente para ser governador de dez cidades (Lc 19.17).

Assim, não desprezemos nossa “Terra de Siena”! Sem ela não teremos luz nem relevância!

Isac Rodrigues

Cevide

View more posts from this author

Compartilhe em sua rede social, blog ou site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *