Pés como os da corça

corça

(Reflexão)

Li “Pés como os da corça nos lugares altos” (Editora Vida). Uma alegoria incrível, que reconta a história de muitos, de nós mesmos! O momento mais chocante da história é quando o Pastor pode anular uma jornada inteira de sofrimentos e experiências, para fazer recomeçar tudo de novo! Sob o raciocínio humano, isso não poderia acontecer. Mesmo assim, o Pastor tem os que o amam com submissão: “Irei contigo ao deserto, para longe do que me prometeste, se esta é a tua vontade. Mesmo que não possas contar-me a razão dessa descida, eu irei contigo, pois sabes o quanto te amo. Tu tens o direito de escolher para mim qualquer coisa que seja do teu agrado” (Grande-Medrosa, personagem principal, que veio a chamar-se Graça e Glória), tornando “tudo isto parecer uma terrível contradição do que ele prometeu”. O que houve? A reciprocidade do Amor. O Amor é o mais doce componente dessa história, que, sendo belo, é terrível também – “terrível na determinação de não aceitar imperfeições, ou a falta de algum valor na personalidade da pessoa amada”. O desejo do Pastor: levar seus filhos, com pés de corça (sobre montanhas e abismos), aos picos dos Lugares Altos, no próprio Reino do Amor! Leitura imprescindível. Falou muito!

Isac Rodrigues

Cevide

View more posts from this author

Compartilhe em sua rede social, blog ou site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *