Quanto ao mais, irmãos

Como é que Deus controla tudo ao mesmo tempo, e ainda sabe o que os homens pensam? E ainda diz que pensamentos são? “O Senhor conhece os pensamentos do homem, que são vaidade” (Sl 94.11), sobrecarregados de coisas vãs. Ele distingue os justos dos ímpios por aquilo que praticam, e diz que “os pensamentos dos justos são retos, mas os conselhos dos ímpios, engano” (Pv 12.5). Ele compara os seus pensamentos com os dos homens ao dizer que os seus “pensamentos (são) mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55.9). Diz ainda: “Os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos”, (Is 55.8). Diz também que “do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, fornicação, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias” (Mt 15.19). Sim, ele diz!

Qual o conselho do Senhor diante da verdade de que os pensamentos dos homens são ínfimos, inferiores, sujeitos ao mal? Que pensemos nas “coisas que são de cima, e não nas que são da terra” (Cl 3.20), pois o que é da terra não faz bem algum e impede as coisas que são de cima. Ele pede: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4.8). Pensar somente naquilo que instrui, que constroi, que edifica, que traz alegria e realização.

Isac Rodrigues